Pular para o conteúdo principal

E eu achando que iria vender o carro fácil...

É amigos, deixei meu carango  20 dias em uma revendora de veículos, achando que iria pegar uma oferta boa e vender rápido. Ledo engano. Tive somente uma oferta decente porém R$ 2000 abaixo do valor que achava justo pro veículo.

Resolvi retirar o automóvel então e anunciar por conta própria. A parte boa disso é que poderia continuar usando o veículo, ao invés de gastar dinheiro com Uber. 

Já são duas semanas anunciadas e novamente, somente uma oferta decente, e pior, R$ 3000 abaixo do valor justo (no meu ponto de vista).

Nessa hora caiu a ficha de que o mercado não está fácil. A economia continua engatinhando e aqui estamos, tentando sobreviver nesse mar de tubarões. Eu teria a impressão que venderia em um preço bom, afinal, um modelo novo do meu automóvel custa, pelo menos, uns R$65000.

E criei um bloqueio em vendê-lo por um valor tão baixo. Um carro que nunca me deu problemas, confortável e, ainda, com 3 anos de garantia. Um pouco rodado, confesso, ele é 15/15 com 40k km rodados. Algo normal, ja que ando bastante, por conta dos dois empregos. 

Estou quase decidido a continuar com ele mesmo. Aceitar os custos que estão a vir, como seguro (renovar em julho) e manutenções periódicas. E daqui a alguns anos, tentar vender novamente ou quem sabe, deixar para vender quando a garantia acabar e as manutenções ficarem bem onerosas. Pelo menos, com a mudança recente, fiquei bem mais próximo do serviço. Portanto, já terei uma economia de combustível. 

Gostaria de saber da experiência dos colegas leitores, já tentaram vender um veículo? Foi num preço justo ou aceitou receber o valor que o mercado estava pagando?

Grande abraço a todos e muito sucesso! 

Comentários

  1. Olá FA,

    Eu vendi meu carro no final de 2016 por um valor bem abaixo do preço justo. 4k a 5k a menos. Tinha deixado numa loja para vende-lo só que eles não conseguiram e eu mesmo o vendi. No meu caso eu aceitei a perda e levo isso como um aprendizado. Carro tem um gasto muito alto. No meu ponto de vista você deve vende-lo.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá cowboy, como funciona seu transporte hoje em dia? Mora perto do serviço? Usa apps de transporte? O problema de vender o veículo é aceitar ofertas 7 mil abaixo da FIPE, além da queda na qualidade de vida. Já que iria depender do carro da esposa e dos uber. Ônibus está fora de cogitacao na minha cidade. Pior transporte possível.

      Excluir
    2. Olá AF,

      Eu vou para o trabalho de metrô e para os outros perto que não tem metrô vou de Uber. Nunca senti falta do carro. 7k abaixo é difícil aceitar mesmo.

      Abraços.

      Excluir
  2. FA, infelizmente nessas negociações tem que se ter paciência, mas na maioria das vezes iremos sair perdendo. a questão é quanto perder... pensei em vender meu carro também mas foi completamente desamimador ver o preço praticado pelo mercado. então estou me programando para fazer as manutenções nele dentro dos prazos e mantê-lo por mais uns anos até que essa desvalorização compense o uso .
    boa sorte nos negócios!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi aprendiz, está é minha ideia também. Segurar o quanto der. Agora, é muito ruim ficar sem reservas, minha mudança consumiu todas economias. Vender ele me daria um gás novamente. Depois que começamos a poupar, fica difícil aceitar viver sem dinheiro guardado. Abraços!

      Excluir
  3. Carro não tem jeito, ano passado vendi um meu e pesei: IPVA quase 5 mil seguro variava de 4 a 6, cada revisão ficava por baixo 2500 a 4 mil... como estava com pressa, vendi por quase 10 mil a menos do que queria.

    Atualmente, o que está difícil de vender são meus imóveis... achei que seria bem mais fácil, desanimador. Tem um apartamento que estou vendendo por uns 40 mil a menos do que vale, pensei que fosse chover interessados, mas que nada.

    Qual a finalidade de vender esse carro com apenas 2 anos de uso? Iria trocar por outro? Se a manutenção preventiva estiver em dia, não vejo o porquê trocar agora. O seu está "rodado" para o mercado, mas para mim não.
    Comprei um carro em agosto de 2017 e está com 50 mil km hoje hahahah até dezembro devo bater 100 mil km.

    Eu gosto de trabalhar com a métrica de 4 anos (2 anos "pagando" o custo de depreciação e 2 anos "usufruindo" do carro) e aí sim troco.

    As manutenções fora da garantia não ficam onerosas SE você tiver algum amigo dono de oficina. Eu mesmo NÃO vou mais levar meu veículo na concessionária e vou perder a garantia dele, pois conheço um pouco de mecânica e sei que estão cobrando valores e trocando peças de forma totalmente desnecessária, só argumentando que "é necessário pela garantia".
    Como a única peça que pesquisei na internet que poderia vir a dar problema na garantia no meu carro é a turbina e o custo dela frente aos valores de economia da revisão preventiva ao longo do ano não é tão desproporcional, vou optar em perder a garantia.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Carro é prejuízo, anunciei o meu há cerca de 1 ano, recebi diversas propostas de pessoas interessadas, meu carro já é velho, 09/10, modelo japonês que tem fama de não quebrar, versão intermediária, valor de mercado 40k, só tive proposta de 4k abaixo da FIPE, apesar de estar com a lata meio judiada por ser preto, está com 96 mil km.
    Após receber umas 4 visitas, oferecendo trocas, desisti da venda, estou com o carro, mas parei de pagar seguro neste ano.
    Vou ver se anúncio novamente no segundo semestre.

    ResponderExcluir
  5. Olá investidor. O mercado, realmente, não anda fácil para nada. Obrigado pelas dicas. Sobre o carro, sua venda seria para amortizar o financiamento imobiliário, além de diminuir custos, ficando apenas o veículo da minha esposa. Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Então Gravata, sua kilometragem está boa, 8 anos e somente 96 km. Eu rodaria isso tudo na metade do tempo. Incrível como o povo brasileiro só sabe desvalorizar o bem alheio. Seja automóvel, imóvel, até mesmo jogo de video game.

    O carro continua anunciado no site da revendedora. Mas tirei o anúncio pessoal que tinha feito. Quem sabe eu faça novamente em breve. Deixar anunciado até achar alguém que pague o preço. Abraços!

    ResponderExcluir
  7. Olá, Aportador. Seu carro está novo. O meu atual é 2012 e tem mais de 150 mil km rodados. Estou negociando um mais novo e vou vender. Já sei que será difícil e estou disposto a aceitar ofertas bem abaixo da FIPE para vender logo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Investidor, realmente ele está novo e é isso que está pesando na balança atualmente. Vou continuar por ele, quem sabe futuramente o anuncie novamente. Sobre o seu caso, o mercado vai colocar o valor bem abaixo, mas vc já está ciente disto. Dói menos, digamos assim :( Abracos!

      Excluir
  8. Se você está procurando apartamentos de alto padrão na praia, conheça a Riviera de São Lourenço. Um ótimo lugar para investimentos! Acesse: www.pratesimoveisriviera.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A semi-independência financeira

Gostei muito de criar este blog. Sinto que quando escrevo, fico mais comprometido com meus objetivos. Ler e reler os posts dá um certo gás. 
Percebo também que não estou sozinho. Somos diversos buscando a mesma conquista. O mais interessante disso tudo será ler esses textos daqui a 2-3 anos. E notar a evolução. Certamente ela acontecerá.
Partindo agora para o assunto principal do post, está na hora de ser honesto comigo mesmo. Meu mindset mudou com mais de 30 anos. Cheguei nos 30 num piscar de olhos, imagine então quão próximo estou para ser quarentão.
O que significa isso? Menos tempo terei para alcançar o que almejo. Como resolver isso? Aportando mais. O problema é que não moro mais com meus pais, já sou casado e tenho compromissos financeiros que não existiriam se ainda morasse com eles.
E pensar que eu passei quase 10 anos fazendo cagadas financeiras... Não dá para consertar 10 anos em 10 dias. Porém, podemos tentar usar uma super-cola e ver no que vai dar.
E aqui chegamos num po…

Decisão sobre o apê

Primeiramente, obrigado a todos que comentaram no último post. É muito bom ter a visão de diversas pessoas que entendem de finanças. Além de que, duas cabeças costumam a pensar melhor que uma.

Tirando todo o emocional em quitar a dívida, a coisa mais sensata a se fazer é aguardar a carência acabar para utilizar novamente o FGTS. Lá pelos meados de 2018.
Com isto em mente, não tenho necessidade em mexer nos papéis que já possuo. As amortizações serão realizadas, exclusivamente, com dinheiro novo. 
De início, pretendo direcionar dinheiro para o apartamento mês sim, mês não. Intercalando os meses com aportes. Se o plano for bem executado, em julho terei finalizado esta etapa da minha vida.
Esqueci o PPP (pagamento de parte da prestação) de mão. Ele é mais direcionado para quem precisa respirar durante o ano. O FGTS já rende tão pouco, se eu ainda deixar ele ser consumido por juros...
Minha esposa está muito feliz com a decisão de mudarmos de casa. Na realidade, ela ainda está meio sem a…

Estudando os colegas de trabalho

Como comentei no meu primeiro post, minha fonte de renda provém de dois vínculos. Cada vínculo possui uma certa particularidade, tanto em relação ao trabalho em si, quanto em relação às pessoas.
Não irei focar no trabalho, hoje irei falar sobre as pessoas. Notei algo bem interessante e que vale a pena compartilhar com vocês.
No vínculo 1, possuo colegas de trabalho na faixa de 35-45 anos. Casados e com filhos em sua grande maioria. Possuímos alguns PCs para ajudar a desempenhar nossas atividades profissionais. E não raro, utilizamos para lazer no tempinho vago.
É comum ter sites como submarino, mercado livre e diversos outros sites de compras salvos na barra do navegador. Dificilmente converso sobre investimentos com os colegas do vínculo 1. 
Muitos deles reclamam do governo, da inviabilidade da reforma da previdência, acham que a aposentadoria deve ser responsabilidade do Estado. E é comum efetuarem o pagamento de imposto de renda de forma parcelada (pagando juros).
Agora, vamos fal…