Pular para o conteúdo principal

ETF's no Brasil: o seu guia definitivo

Este texto tem como objetivo auxiliar os novos CPF's da Bolsa de Valores. No final de 2018, éramos apenas 800 mil investidores (pouco, perto de uma população de 210 milhões de brasileiros). Em outubro de 2019, subimos para 1,5 milhão de investidores (o dobro, praticamente). Existem diversos fatores que levaram a esse aumento expressivo, dentre eles, podemos elencar:

- Queda da taxa SELIC, atingindo fundo histórico de 4,5 % ao ano;

- Aprovação da reforma da previdência e expectativas de mais reformas;

- Expectativas também do fim da guerra comercial entre EUA e China;

- Taxa de desemprego seguindo em queda.

Dentro deste cenário, o investidor brasileiro precisou se mexer. Quem investia em 2015/2016 conseguia retornos expressivos sem correr muitos riscos, visto que a taxa SELIC estava em 14,25% ao ano. No cenário atual, os investimentos não estão mais tão simples assim. Quem busca uma rentabilidade um pouco mais elevada precisa correr mais riscos. É o prêmio risco/retorno.

Os ETF's (Exchange Traded Funds) mostram-se uma ferramenta interessante para toda essa massa que está adentrando este novo mercado. Mas entenda, não estou aqui para convencê-lo a investir nesse ativo, estou aqui apenas para demostrar que existem opções. Se o pequeno investidor desejará comprar esta classe de ativo ou não, dependerá exclusivamente de sua estratégia e tolerância ao risco. 

Vamos começar:



O que significa ETF?

ETF é uma sigla norte-americana que significa Exchange Traded Fund, em tradução livre, Fundo de Índice. Estes fundos são constituídos com o objetivo de replicar uma carteira de ações teórica e sua rentabilidade. No Brasil, o principal índice é o Bovespa, a B3 (Brasil Bolsa Balcão) utiliza este índice como indicador do desempenho médio das ações. Estas ações são escolhidas de acordo com sua liquidez (volume de compra e venda de ativos).

Quem criou o primeiro ETF?

Este título vai para o americano John Bogle (1929-2019), fundador do Grupo Vanguard.  Bogle iniciou suas atividades com este grupo em 1974 com o intuito de popularizar o investimento em fundos de baixo custo. Sua ideia não era vencer o índice de ações  norte-americano, porém acompanhá-lo. Replicar o índice cobrando uma taxa de administração baixa, segundo Bogle, essa era a fórmula do sucesso para o pequeno investidor no longo prazo.

Bogle escreveu diversos livros sobre sua filosofia de investimentos, caso deseje conhecer mais a fundo, eis alguns abaixo:

   

Custo para investir em ETF's - Brasil x EUA:

Dentro da filosofia de Bogle, pagar o mínimo possível pela administração do fundo seria essencial. Na sua visão, os fundos ativos cobravam taxas elevadas para ganhar um índice específico, e falhavam, em sua grande parte. Abaixo temos as taxas dos principais índices geridos pelo Vanguard Group:

- Vanguard S&P 500 ETF, expense ratio: 0,03% ao ano;

- Vanguard Total International Stocks ETF, expense ratio: 0,09% ao ano;

- Vanguard Total Stock Market ETF, expense ratio: 0,03% ao ano;

Percebam que o custo é baixíssimo! Vamos comparar com as taxas de alguns ETF's brasileiros:

- Ishares Ibovespa Fundo de Índice (BOVA11), taxa de adm: 0,54% ao ano*;

- It Now PIBB  IBRX-50 - Fundo de Índice (PIBB11), taxa de adm:  0,059% ao ano;


- ETF Bradesco Ibovespa FDO de índice (BOVB11), taxa de adm: 0,20% ao ano.

Dentro do nosso universo, de apenas 16 ETF's disponíveis, as taxas ainda são bem elevadas perto do mercado norte-americano. Mesmo com a concorrência baixa, percebam um detalhe, o BOVA11 e o BOVB11 replicam o mesmo índice, o Ibovespa. Notem que a taxa de administração é bem diferente, enquanto um cobra 0,54% ao ano, o outro cobra apenas 0,20% ao ano!

Não restam dúvidas que quem deseja acompanhar este índice deve escolher o fundo de menor custo. Com menores custos, sobra mais dinheiro para o investidor, aumentando sua rentabilidade. Este exemplo serve para mostrar que as coisas estão começando a mudar no Brasil. E com certeza mudará, visto que agora somos mais de 1,5 milhão de investidores. 

ETF's brasileiros não possuem isenção de imposto de renda:

Quem negocia ações na nossa Bolsa de Valores sabe que temos isenção de imposto de renda em vendas mensais de até R$ 20.000,00 (em caso de lucro). Os nossos ETF's não são assim, caso o investidor venda com lucro (qualquer valor), deverá gerar um DARF e pagar 15% do lucro como imposto. E todo o cálculo e pagamento deverá ser realizado pelo próprio investidor.

Uma situação bem burocrática e dispendiosa de tempo para o investidor pessoa física. E podemos fazer algo a respeito para mudar esta situação? O colega A40, do blog Aposente aos 40, criou uma Ideia Legislativa para estender aos ETF's a mesma isenção da venda de ações individuais e caso alcance 20 mil votos, se tornará uma Sugestão Legislativa a ser debatida pelos senadores.

Caso deseje apoiar a ideia, clique neste link e deixe seu voto.

Bogle estudou o mercado americano, podemos utilizar a mesma métrica para o mercado brasileiro?

Em minha humilde opinião, não. O mercado norte-americano é bem diferente do nosso mercado. Os americanos são praticamente obrigados a investir no mercado acionário pois o retorno de renda fixa deles é pífio. Neste link temos os juros atuais do governo americano, atualmente entre 1,5-1,75% ao ano.

O estudo de Bogle foi realizado dentro da maior economia mundial, o índice S&P500 representa o desempenho das 500 maiores empresas de capital aberto dos EUA. Neste índice temos empresas gigantescas como Coca-Cola, Apple, Microsoft e Amazon. Muito diferente do nosso índice Ibovespa, logo abaixo temos as principais diferenças:

- Número de papéis: O Ibovespa possui somente 70 ações de empresas contra 500 ações do S&P500;

- Valor de mercado: Estamos falando de 1 trilhão de dólares do Ibovespa contra mais de 20 trilhões de dólares dos americanos;

- Composição setorial: O Ibovespa é concentrado em empresas de óleo e gás, financeiras e materiais básicos. O S&P500 é composto em sua maioria por empresas de tecnologia, saúde, financeiras e energias.

Dentre outras diferenças. Caso deseje conhecer um pouco mais sobre o S&P500, este link da Suno Research pode ajudar.

O imbróglio que é o IBOVESPA:

Vamos à forma como o IBOV é constituído: são 70 ações de empresas que representam 80% do negócios e volume financeiro do mercado à vista.  Com isso nós temos aproximadamente 10% só de Petrobras (uma empresa de economia mista atolada em esquemas de corrupção no passado). Aproximadamente 20% somente de empresas do setor bancário, temos 30% de empresas de materiais básicos e, pasmem, ZERO empresas de tecnologia.

Não existe uma diversificação digna no IBOV. A carteira é extremamente concentrada em setores e por isso, não se deve levar em conta a economia de um país com base neste índice. Diante disso, no Brasil, temos muitos investidores que realizam o chamado Stock Picking. Nada mais é que escolher ações a dedo, realizando a diversificação necessária.

O IBOV como benchmark:

Apesar dos problemas que envolve o índice Bovespa, ele é utilizado como benchmark para o mercado de ações nacional. Então, se sua carteira de ações ou fundo de investimento em renda variável não está batendo o IBOV, sugiro que seja revista o mais breve possível. Obviamente, existem exceções, carteira baseadas em dividendos, por exemplo. Este tipo de carteira baseia-se no fluxo de caixa por meio de dividendos e juros sobre capital próprio. Geralmente, é concentrada em setores bancários, de energia e seguros.  Portanto, bater o índice não é a prioridade.

Existe vida além do IBOV:

Já que o principal índice da bolsa brasileira não é uma opção tão boa de diversificação, temos que buscar novas alternativas. E, acredite, existe! Vou utilizar 2 exemplos, segue:

- IVVB11: O IVVB11 é um ETF negociado na B3 que replica, em reais, a performance do S&P500, o índice americano que reúne as 500 maiores companhias de capital aberto dos EUA. O gráfico comparativo dos últimos 12 meses está abaixo:




- SMAL11: Este ETF busca refletir os ativos das empresas de menor capitalização na B3. Segue gráfico abaixo:






Ambos os gráficos demonstram o retorno em 12 meses. Apesar de retornos passados não representarem retornos futuros, espera-se que o cenário se repita. Perceba o seguinte também, se o seu fundo de investimento que cobra uma taxa pesada de 2-3% ao ano e 20% de taxa de performance não está conseguindo bater estes ETF's, está na hora de rever seus conceitos.

CONCLUSÃO:

Não é possível falar de tudo sobre ETF's nesse texto, ainda tenho muito a abordar sobre o assunto. O que gostaria de concluir é que ETF's (mesmo no Brasil) são uma opção viável de investimento. 

Investir e conhecer o negócio de uma empresa a fundo não é uma tarefa fácil. Se você tem o tempo e o conhecimento necessário para isso, parabéns, você é uma exceção! Para muitos é uma tarefa que não compensa. Eu sou um exemplo vivo disso, preciso me guiar por relatórios pagos para comprar ações na B3.

E assim, ficarei escravo de analistas para todo o sempre. Cuidado com aquelas pessoas que dizem "basta comprar empresa boa", como se fosse a coisa mais fácil do mundo! Cuidado até mesmo com os analistas, o dinheiro que está na roda é o seu, não o deles.

Eu poderia me dedicar e aprender como avaliar uma empresa? Poderia, certamente, qualquer um poderia. Valeria a pena meu tempo livre para isso? Nem um pouco, prefiro gastar esse tempo com minha família, meus pets e nossas viagens.

Equilíbrio é tudo.

OBS: Nenhum ativo abordado aqui é sugestão de investimento. Foi utilizado meramente para fins didáticos.

*O BOVA11 está atualmente com taxa de administração de 0,30% ao ano. 

Comentários

  1. Muito legal seu texto Frugal. Obrigado por divulgar o link. Infelizmente acho que dificilmente obteremos os votos necessários no tempo que resta para a ideia ser lida pelos senadores, mas, não custou tentar. ETFs ainda é um bixo de sete cabeças no Brasil, mas a reforma tributária está vindo ai e esta isenção para ações e não para ETFs deverá acabar, afinal, ETF não é uma classe de ativos, é apenas um veículo para investir em ações. ETFs serão muito populares ainda no Brasil, pode anotar ai. Abcs e vou divuglar seu post no reddit.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela força A40! Creio que seja apenas uma questão de tempo até a popularização de ETFs no Brasil. Ainda vou abordar mais sobre esse assunto, tem muita coisa interessante a se falar a respeito. Abraços!

      Excluir
  2. Muito bom! Quando mais pessoas falando e investindo em ETFs, melhor.

    Também sou adepto do investimento em ETFs para o longo prazo. O final do seu texto resumiu muito bem a vantagem de se investir em ETFs: aproveitar o tempo. Tempo para se dedicar ao trabalho, família, amigos, viagens, etc. Muita gente que está entrando agora, principalmente em um Bull Market, se empolga demais. Com o passar dos anos, vai percebendo que ninguém aguenta passar tantos anos se dedicando diariamente à análise de diversas empresas e acaba diminuindo o ritmo e querendo deixar os investimentos mais simples. Mas se a pessoa já trabalha no mercado financeiro, é outra história.

    Só uma pequena correção: A taxa de administração do BOVA11 está em 0,30% aa desde o meio do ano passado e não mais em 0,54%.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Herbet, tudo bom? Acredito que o bem de maior valor em nossas vidas é o tempo. E nosso dia tem apenas 24 horas, devemos saber utilizá-las sabiamente. Eu decidi abdicar de analisar empresas em prol de algo mais proveitoso para mim. Seja escrevendo para o site (que considero um prazer), seja visitando meus pais, seja fazendo extra no serviço etc.

      Assim como você, acredito que simplificar os investimentos é o caminho. Você já viu que existem até ETF's para renda fixa agora? Imagine apenas entrar no home broker e comprar, livre daquele sentimento de ser extorquido por taxas abusivas dos gestores. Acabou a necessidade de fazer contas em diversas banquinhos ou corretoras para caçar as melhores taxas. Eu acho que esse será o meu futuro. Abrindo home broker uma vez por mês, fazendo as compras e esquecendo dele por 30 dias.

      Obrigado pela correção sobre o BOVA11, no site da B3 ainda consta como 0,54%. Irei deixar a correção no final do texto.

      Grande abraço!

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo excelente artigo! De fato deve-se pesar na balança se o tempo gasto e a dedicação fazendo stock picking compensa.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vou deixar o link de meu post para quem ainda não leu, mostrando que a diferença entre stock picking vs ETF na minha carteira durante dois anos foi pouca.

      https://foconaif.blogspot.com/2020/01/e-seu-eu-tivesse-escolhido-um-etf.html

      Excluir
    2. Olá FI, obrigado pela visita, seu texto está ótimo, confirmou muito do que eu pensava! Abraços!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

E o custo de vida no Brasil?

Sugiro que todos abram o Spotify e botem para tocar The Power of Love, porque é exatamente o que estou fazendo nesse momento.  E aproveitem e pesquisem Cobra Kai no You Tube que a série está muito boa!

Então colegas de finasfera, olhando o consumo deste mês, percebi como está caro viver no Brasil. A classe média cada vez mais pressionada por conta dos impostos, alguns com retorno zero. Escola pública, Sistema Único de Saúde e transporte público são apenas algumas categorias em que somos capazes de utilizar apenas em último caso. Abro um parênteses para transporte público pois depende da cidade em que cada um reside. Na minha cidade é horrível, não tem malha de metrô, dependemos única e exclusivamente de ônib

Checando os números de novembro

Hoje estou com o domingo livre e resolvi fazer algo que gosto bastante: realizar contas e mexer com tabelas. Este texto é uma forma de incentivar os investidores que estão iniciando. Também considero uma forma de incentivar a mim mesmo, para continuar focado pelos anos vindouros. Comecei meus investimentos em renda variável em Junho/17 e foi um ano de bastante aprendizado. Finalizei o ano com a carteira totalmente vendida, estava com posições muito favoráveis, então preferi realizar o lucro. No início do ano, mudamos de residência, então, o dinheiro foi muito bem utilizado.
Vamos ver o gráfico de renda passiva de 2018 então:
Certo, de vermelho estão os rendimentos do imóvel físico que possuo. E de azul, rendimentos recebidos (em sua maioria) de Fundos Imobiliários. Em janeiro, fiz uma pequena carteira de fundos de recebíveis, da qual não me arrependo, vendi as posições com lucro e ainda tive essa rendinha no mês. Existe um hiato de 4 meses sem investimentos, justamente a época em que…

Plano B

Gosto de guiar minha vida por objetivos. Tipo como se fosse uma fase de Super Mario World. Vamos passando fase por fase, objetivo por objetivo, subindo um degrau após o outro.

O plano B, por motivos óbvios, não é tão bom quanto o plano A. Afinal de contas, se fosse bom, não seria B, seria A, concordam? Então a gente vai ajustando conforme a vida vai caminhando.
Costumo a dizer que para um plano dar certo, ele precisa ter falhas. São nas falhas e nos erros que aprendemos lições valiosas. Quando tudo vai muito certinho, não costumamos a olhar para trás procurando outra saída ou outro rumo.
Lembram da era nostálgica das lan houses? Eu era doido e fissurado por um jogo de estratégia chamado Warcraft 3. E a cada jogo finalizado, eu tinha o costume de olhar os replays para entender aonde estavam meus erros ou acertos. Claro que eu observava com mais atenção os jogos em que perdia. Os jogos em que eu vencia não me ensinavam muito.
É igual na vida.
Planejei focar por cinco anos na dívida imo…