Pular para o conteúdo principal

Viver bem faz muito bem

Eu não tinha a mínima ideia do impacto positivo que mudar de residência teria em minha vida. Viver bem faz uma grande diferença na qualidade de vida. Quando falo em "viver bem" não digo viver com o máximo de conforto mas, sim, com o mínimo para que você se sinta feliz.

Encontrar esta medida depende de cada um. Hoje em dia eu fico extremamente feliz em receber a família em casa. Consigo receber uns 8 parentes de forma tranquila. Coisa praticamente impossível no apartamento de 44 metros quadrados em que residia. 

Tínhamos um espaço tão reduzido que era necessário uma escala para receber visitas. E isso me frustava ao extremo. Existiam também outros problemas pontuais mas deixarei para explorar em outro post.

Após a mudança, o choque de realidade foi absurdo. Hoje, basta pegar um elevador para estar na academia. Só aí eu ganho, pelo menos, meia-hora a mais no dia, que seria o tempo do trajeto de ida e volta.

E se eu precisar me deslocar ao supermercado? Em cinco minutos estou lá, moro do lado de um. Farmácia? Só andar mais um pouco. E o serviço? Dez minutos de carro. Até combustível estou gastando menos.

O preço que estou pagando? Um pouco salgado, confesso. Quase 4 vezes mais em relação ao imóvel passado. Porém estamos nos planejando para que em 5 anos ele já esteja praticamente quitado.

A dívida atual está elevada, começamos em belos 360 meses. Já foram uns 3 ou 4 meses de amortizações. E será assim pelos próximos anos. Aporte bem modesto, somente para formar a reserva de emergência.

Atualmente estamos em 330 meses de dívida. Parece uma dívida infinita, algumas vezes penso assim. Recordo de ser o mesmo pensamento que eu tinha quando via o boleto da moradia anterior. Mas aí, eu aprendi a regra do jogo e em 5 anos quitei o apartamento.

Morar bem faz uma diferença enorme para aguentar a porrada do dia-a-dia! E simbora que temos cinco anos para quitar isso aqui! 

Objetivo para este finalzinho de ano (sim, é Agosto já, ano acabou) : terminar 2018 com menos de 300 meses de divida. 

Abraço a todos e muito sucesso! 

Comentários

  1. Força ai para os 5 anos para quitar as dividas, depois isso vai ser ainda melhor!

    Para se mudar para uma casa maior tem de ser planejar bem, mas para quem recebe muitos parentes é bom!

    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. É bom demais DIL! Minha vida é outra hoje em dia. Obrigado pela visita, abraços!

    ResponderExcluir
  3. Olá FA,

    Sim, viver bem é excelente! Na minha opnião vale muito a pena gastar com certos luxos, como por exemplo uma boa morada. A vida é um equilíbrio entre viver bem e ser frugal.

    Boa sorte na nova morada!

    Abraços e sucesso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rico, este equilíbrio é meio complicado de se conseguir. Estou num dilema entre reformas e aportes kkkk. Abraços!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A semi-independência financeira

Gostei muito de criar este blog. Sinto que quando escrevo, fico mais comprometido com meus objetivos. Ler e reler os posts dá um certo gás. 
Percebo também que não estou sozinho. Somos diversos buscando a mesma conquista. O mais interessante disso tudo será ler esses textos daqui a 2-3 anos. E notar a evolução. Certamente ela acontecerá.
Partindo agora para o assunto principal do post, está na hora de ser honesto comigo mesmo. Meu mindset mudou com mais de 30 anos. Cheguei nos 30 num piscar de olhos, imagine então quão próximo estou para ser quarentão.
O que significa isso? Menos tempo terei para alcançar o que almejo. Como resolver isso? Aportando mais. O problema é que não moro mais com meus pais, já sou casado e tenho compromissos financeiros que não existiriam se ainda morasse com eles.
E pensar que eu passei quase 10 anos fazendo cagadas financeiras... Não dá para consertar 10 anos em 10 dias. Porém, podemos tentar usar uma super-cola e ver no que vai dar.
E aqui chegamos num po…

Estudando os colegas de trabalho

Como comentei no meu primeiro post, minha fonte de renda provém de dois vínculos. Cada vínculo possui uma certa particularidade, tanto em relação ao trabalho em si, quanto em relação às pessoas.
Não irei focar no trabalho, hoje irei falar sobre as pessoas. Notei algo bem interessante e que vale a pena compartilhar com vocês.
No vínculo 1, possuo colegas de trabalho na faixa de 35-45 anos. Casados e com filhos em sua grande maioria. Possuímos alguns PCs para ajudar a desempenhar nossas atividades profissionais. E não raro, utilizamos para lazer no tempinho vago.
É comum ter sites como submarino, mercado livre e diversos outros sites de compras salvos na barra do navegador. Dificilmente converso sobre investimentos com os colegas do vínculo 1. 
Muitos deles reclamam do governo, da inviabilidade da reforma da previdência, acham que a aposentadoria deve ser responsabilidade do Estado. E é comum efetuarem o pagamento de imposto de renda de forma parcelada (pagando juros).
Agora, vamos fal…

Decisão sobre o apê

Primeiramente, obrigado a todos que comentaram no último post. É muito bom ter a visão de diversas pessoas que entendem de finanças. Além de que, duas cabeças costumam a pensar melhor que uma.

Tirando todo o emocional em quitar a dívida, a coisa mais sensata a se fazer é aguardar a carência acabar para utilizar novamente o FGTS. Lá pelos meados de 2018.
Com isto em mente, não tenho necessidade em mexer nos papéis que já possuo. As amortizações serão realizadas, exclusivamente, com dinheiro novo. 
De início, pretendo direcionar dinheiro para o apartamento mês sim, mês não. Intercalando os meses com aportes. Se o plano for bem executado, em julho terei finalizado esta etapa da minha vida.
Esqueci o PPP (pagamento de parte da prestação) de mão. Ele é mais direcionado para quem precisa respirar durante o ano. O FGTS já rende tão pouco, se eu ainda deixar ele ser consumido por juros...
Minha esposa está muito feliz com a decisão de mudarmos de casa. Na realidade, ela ainda está meio sem a…