Pular para o conteúdo principal

Carteira de ativos - Outubro/17

Olá amigos, vamos analisar mais um mês de investimentos. Antes de continuarmos, gostaria de deixar o seguinte disclaimer:

Não sou analista financeiro e não possuo qualquer tipo de certificação nesta área. Minhas análises são frutos de estudos, relatórios e um pouco de sorte. Não recomendo ninguém a comprar os ativos que possuo. Assim como, não me responsabilizo por lucros ou perdas advindos de compras dos ativos que estão aqui neste site.

Bora começar então? Minha carteira encontra-se da seguinte forma:

Irei continuar posicionado em, no máximo, 25% de ações. É um território que não domino ainda. E que possivelmente não irei dominar nunca pois estou chegando à conclusão que é um saco ler relatórios e balanços de empresas. É algo que não me atrai nenhum pouco. Diferente dos FIIs, em que sinto prazer em aprender e ler relatórios gerenciais. 

Modifiquei um pouco minha posição em renda fixa. Estou com 3,9% do meu capital alocado em um Fundo DI que vem performando 107% do CDI nos últimos 24 meses. A liquidez dele é de 5 dias úteis. Espero que continue com esta ótima performance enquanto eu estiver no Fundo.

Pretendo deixar 5% do que possuo alocado em ativos de liquidez imediata. Seria uma pequena reserva para alguma urgência que possa  vir a ocorrer. Além de se tornar uma forma de ter dinheiro  disponível para alguma oportunidade na renda variável.

Falando em renda variável, este é o gráfico atualmente:

Este mês realizei a venda de um FII que estava se tornando um fardo para mim. O HGRE11. O fundo tem distribuído rendimentos acima do que vem recebendo há meses. Foram somente alguns 10 milhões que foram retirados da sua reserva para isso. A vacância vem só aumentando, chegando a 22% neste último mês. E alguns imóveis do portfólio já não me agradam mais.

Preferi zerar a posição com lucro a pagar para ver como o HGRE11 vai se virar com a bola de neve que criou. No longo prazo, pode ter futuro. Mas eu não casei com nenhum fundo, fico com eles enquanto estou confortável, tanto com os rendimentos, quanto com a gestão. 

De compras, já adicionei o VISC11 (Vinci Shopping Centers) na carteira, porém só estará disponível para negócios a partir de 01/11. Comprei um pouco de vacância do RNGO11 (Rio Negro FII). Acertei o timing do ativo, sua vacância reduziu de 15% para 11% alguns dias após a compra. Vejo este ativo com bons olhos, pretendo aumentar a posição futuramente nele.

Tenho agora na carteira meu primeiro FII de papel, o CPTS11B (Capitânia). Também pretendo aumentar minha posição nele. Aproximadamente 37% dos papéis estão ligados ao IPCA, uma ótima forma de se proteger quando a inflação voltar a subir.  E no campo acionário, vi uma janela aberta para IRBR3 (IRB Brasil Resseguros). 

Deu pra perceber que prefiro falar dos FIIs que das ações, né?

Acho que irá sobrar um dinheirinho no final do mês, pretendo colocar ele na poupança mesmo e alcançar os 5% que desejo. No mais, estou gostando da diversificação da minha carteira. Os rendimentos dos FIIs foram de R$ 95,02. Devidamente reinvestidos.

E assim caminhamos, de grão em grão. Minha progressão para Semi-IF está em 5,18%. Quando chegar aos 10% prometo fazer um bolinho com refrigerante para comemorar ahah.

Grande abraço a todos e sucesso nas escolhas.


Comentários

  1. Boa noite Frugal,

    Compras boas, o que você tem a dizer do XPCM? Em novembro vou ter um dinheirinho sobrando e pensei em investir neste papel.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá PI, tudo bem? O XPCM tem umas das maiores rentabilidades da carteira. O maior problema dele é ser localizado em Macaé e ter a Petrobras como único inquilino.

      Nem o RJ, nem a Petro andam bem das pernas porém são 1900 funcionários que estão nesse prédio. Não dá pra mover esse tanto de gente do dia pra noite.

      Acho uma oportunidade boa, sabendo desses poréns. Não recomendo comprar um percentual alto por causa dos mesmos motivos.

      Blz? Abs!

      Excluir
  2. Cada um com seu gosto não é frugal, hehe

    Ler relatórios é algo que não me atrái muito também rsrs

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Poupador, o único comunicado que gosto de ler sobre ações é quando tem distribuição de dividendos rsss.

      Abs!

      Excluir
  3. Olá FP,

    Legal a sua carteira. A minha é ao contrário da sua. Tenho mais ações alocadas.

    Acho FII interessante, pois os rendimentos dos proventos são mensais e maiores que ações.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá cowboy, vc vai ser meu professor de ações então :)

      Sucesso, té mais!

      Excluir
  4. Bastante FII hein. Imagina quando esse mercado aumentar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Bufunfa, aos poucos a liquidez desse mercado vem aumentando.

      Abs!

      Excluir
  5. Carteira boa geradora de renda passiva e de fluxo de caixa com 67,5% de FIIs e 24,5% de Ações cai na conta bons proventos todos os meses.

    Abraço e bons investimentos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá DIL, carteira tranquila sem muitas surpresas :)

      abracos!

      Excluir
  6. Olá, Frugal.

    Aonde você viu essa informação do HGRE11? Isso não é um bom sinal!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá MIN, nos relatórios gerenciais. A receita é sempre inferior ao distribuído. O mercado em histeria continua comprando. O céu é o limite rss :) abs!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ETF's no Brasil: o seu guia definitivo

Este texto tem como objetivo auxiliar os novos CPF's da Bolsa de Valores. No final de 2018, éramos apenas 800 mil investidores (pouco, perto de uma população de 210 milhões de brasileiros). Em outubro de 2019, subimos para 1,5 milhão de investidores (o dobro, praticamente). Existem diversos fatores que levaram a esse aumento expressivo, dentre eles, podemos elencar: - Queda da taxa SELIC, atingindo fundo histórico de 4,5 % ao ano; - Aprovação da reforma da previdência e expectativas de mais reformas; - Expectativas também do fim da guerra comercial entre EUA e China; - Taxa de desemprego seguindo em queda. Dentro deste cenário, o investidor brasileiro precisou se mexer. Quem investia em 2015/2016 conseguia retornos expressivos sem correr muitos riscos, visto que a taxa SELIC estava em 14,25% ao ano. No cenário atual, os investimentos não estão mais tão simples assim. Quem busca uma rentabilidade um pouco mais elevada precisa correr mais riscos. É o prêmio risco

Blog entrando em stand-by

Cada vez tenho mais certeza que meu mundo não é aqui na blogosfera de finanças. Viver a pandemia e perceber que a maioria dos blogueiros estão mais preocupados com dinheiro do que com a saúde, me levou à esta conclusão. Ainda penso em continuar minha postagens, talvez com um nicho que eu me identifique mais. E quem sabe consiga rentabilizar um pouco. Tenho algumas ideias, vamos ver se dará certo, falar menos de coisas pessoais e lidar com algo mais profissional. Sobre saúde, muitos parentes doentes e, infelizmente, dois óbitos dentro da família. Eu e minha esposa também adoecemos. Porém, o pior já passou. Muito difícil não se contaminar quando vivemos dentro do ambiente hospitalar. Estou com sinais de stress, percebi nos últimos dias, uns espasmos nas pálpebras. Situação bem ruim, que eu espero melhorar com o passar dos dias  Ando procurando paz e tranquilidade, devo colocar meu primeiro imóvel para venda dentro dos próximos dias. Cansado de lidar com inquilinos proble

COVID-19 e o que penso a respeito

Colegas, estamos diante de dias tenebrosos. Não estou me referindo à bolsa de valores. A B3 é só a cereja do bolo do estrago que iremos vivenciar nos próximos meses.  Queria muito ser otimista nesta hora mas é um exercício muito difícil. Se vivêssemos num país organizado e com pessoas educadas, talvez meu sentimento fosse outro. Porém, vivemos no Brasil, um país recheado de favelas em que os cidadãos não possuem nem acesso ao mínimo de saneamento básico. Vamos tentar imaginar o seguinte cenário para os próximos dias: - A crise sanitária irá se intensificar. Já são quase 300 mortos e este número irá aumentar. Aumentar muito. Os testes não estão sendo realizados da forma correta, certamente temos mais mortos e mais casos do que o Ministério informa. - O isolamento social é a melhor forma de prevenção no momento. Pelo menos enquanto não for produzida nenhuma vacina ou descoberto algum anti-viral eficaz contra o vírus. Com isso, a renda de todos os brasileiros será afetada