Pular para o conteúdo principal

Reflexões sobre investimentos, a vida e tudo mais

Esse último mês foi lindo, né? IFIX batendo mais de 20 pregões de topo, IBOV subindo a cada dia que passa, SELIC no fundo do gráfico, poutz, aconteceu coisa para caramba!

Queria estar feliz com todos esses acontecimentos, e de início, fiquei realmente porém com o passar dos dias fui me preocupando. Como comentei alguns posts atrás, voltei a fazer minha carteira de investimentos e praticamente metade dela está em renda variável.

Os yields dos Fundos Imobiliários já não são tão atrativos, até mesmo entrar em FII hoje em dia está complicado porque tudo, TUDO subiu. Um pequeno exemplo ALZR11, quase R$ 50,00 acima do meu preço-médio. E não é exceção porque XPML11, CEOC11, MALL11 também subiram e estão na minha carteira.

Na real? Inventa qualquer sigla e bota 11 no final que ela sobe. Pode testar aí.

As ações também estão em frenesi. Quem tem varejo na carteira está sorrindo à toa (mesmo com a decepção desse último trimestre). Magalu então, rumo ao infinito e além.

Caralho velho, não está normal. Eu sou o único são e está todo mundo ficando doido?

Toda essa situação me levou a um stress danado. E olhem que nem tenho muito dinheiro em carteira. Fui tentar balancear a mesma para ajustar algumas posições e mano, que porre. QUE PORRE MEU AMIGO! 

Perder 20 minutos em cima de planilha para calcular imposto de renda. Cara... não rola. Se ainda fosse muita grana mas nem isso. Só a apurrinhacão não valeu a pena.

É que nem dizem e após sentir na pele, é exatamente isso aqui:

10% de R$ 10.000,00 é R$ 1.000,00. Sua carteira subiu e agora ela vale mais 10%. Esse dinheiro é suficiente para mudar sua vida? Não. Não muda exatamente nada.

10% de R$ 1.000.000,00 é R$ 100.000,00.  Agora sim, este é um montante capaz de mudar alguma coisa.

Então meus amigos, não adianta, a única força no início que vai te levar adiante é o aporte. NÃO SE ILUDA. Os gurus de YouTube estão todos ricos por conta dos views e não pela carteira que montaram e recomendam.

Demorei para perceber isso. Confesso que demorei um pouco. Buscar rentabilidade agora é o pior negócio a ser feito. Temos controle sobre o risco e sobre o aporte. Sobre a rentabilidade? Impossível.

WARREN BUFFET FEZ 20% AO ANO CONSISTENTEMENTE. 

Não vai ser eu, um Zé Mané em investimentos e nem você, que comprou Magalu e está surfando na crista da onda que sabe de algo.

Por mais Bastteriana que soe essa frase, temos que nos importar com nossa fonte de renda, é dela que vem o aporte. Afinal de contas, quem vai ter mais patrimônio ao longo do tempo?

Quem faz 20% ao ano e aporta R$ 500,00 por mês.

Ou quem aporta R$ 5.000,00 mensais e deixa esquecido na poupança? 

Diante de todo esse cenário, decidi que stock picking não dá pra mim. Tenho que aceitar. Não rola. Odeio relatórios, contabilidade é um saco e valuation então, sei nem pronunciar direito.

Quero focar no que importa, no que faz diferença na minha vida. E se um dia eu tiver um montante grande, aí sim, começo a pensar em rentabilidade.

Passei os últimos dias reestruturando minha carteira (a sorte de estar no bull market é que toda venda é lucro). E estou enxergando com outros olhos os ETFs. Por mais problemáticos que sejam eles, pelo seguinte:

- Falta de isenção na venda com lucro;

- Taxa de administração ainda elevada perto dos ETFs americanos. Temos ETFs lá fora que cobram 0,05% de adm, aqui temos IVVB11 cobrando 0,69%;

- E o nosso índice. Não dá para confiar no Ibovespa, né gente? O Brasil se esforça muito para ser a merda que é hoje. Nem eu sei como esse país ainda não quebrou de vez. Porém, é o que temos para hoje.

Sobre os FIIs, não são mais as meninas dos meus olhos. Continuo comprando, mas reduzindo a alocação para diminuir stress com planilha e rendimentos. Não nego que estou ansioso esperando o Fundo de Fundos do Banco Inter que promete replicar o IFIX.

Se irão conseguir, não sei. Nunca vi um Fundo de Fundos que preste. Podemos estar diante de realmente algo inédito.

Por hoje é isso, próximo post coloco minha carteira por aqui para que eu possa acompanhar a evolução da mesma.

Eu me sinto engraçado escrevendo esse texto porque enquanto todos estão eufóricos, eu fico preocupado. Que bom que essa preocupação veio durante um bull. Como dizem, a bolsa sobe de escada e desce de elevador. 

E chega de focar em besteira.

Comentários

  1. Post muito interessante, faz refletir bem. Meu primeiro ano na bolsa foi 2019, e fui muito bem. Mas obviamente EU SEI que foi um dos melhores anos da bolsa, e certamente haverá períodos de baixa. Como você disse, o segredo é aportar. A rentabilidade só fará diferença quando o montante já tiver chegado a um ponto que um pequena parcela de rendimento já seja significativamente superior a um aporte. Forte abraço, sucesso, e fica com Deus.

    Se puder, agradeceria bastante se adicionasse meu blog ao seu blogroll:
    http://diariodeumpoupador.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Poupador, estou buscando simplificar os investimentos, creio ser este o caminho certo para a tranquilidade.

      Seu blog foi um dos primeiros do meu blogroll po kkk :)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Blog entrando em stand-by

Cada vez tenho mais certeza que meu mundo não é aqui na blogosfera de finanças. Viver a pandemia e perceber que a maioria dos blogueiros estão mais preocupados com dinheiro do que com a saúde, me levou à esta conclusão. Ainda penso em continuar minha postagens, talvez com um nicho que eu me identifique mais. E quem sabe consiga rentabilizar um pouco. Tenho algumas ideias, vamos ver se dará certo, falar menos de coisas pessoais e lidar com algo mais profissional. Sobre saúde, muitos parentes doentes e, infelizmente, dois óbitos dentro da família. Eu e minha esposa também adoecemos. Porém, o pior já passou. Muito difícil não se contaminar quando vivemos dentro do ambiente hospitalar. Estou com sinais de stress, percebi nos últimos dias, uns espasmos nas pálpebras. Situação bem ruim, que eu espero melhorar com o passar dos dias  Ando procurando paz e tranquilidade, devo colocar meu primeiro imóvel para venda dentro dos próximos dias. Cansado de lidar com inquilinos proble

COVID-19 e o que penso a respeito

Colegas, estamos diante de dias tenebrosos. Não estou me referindo à bolsa de valores. A B3 é só a cereja do bolo do estrago que iremos vivenciar nos próximos meses.  Queria muito ser otimista nesta hora mas é um exercício muito difícil. Se vivêssemos num país organizado e com pessoas educadas, talvez meu sentimento fosse outro. Porém, vivemos no Brasil, um país recheado de favelas em que os cidadãos não possuem nem acesso ao mínimo de saneamento básico. Vamos tentar imaginar o seguinte cenário para os próximos dias: - A crise sanitária irá se intensificar. Já são quase 300 mortos e este número irá aumentar. Aumentar muito. Os testes não estão sendo realizados da forma correta, certamente temos mais mortos e mais casos do que o Ministério informa. - O isolamento social é a melhor forma de prevenção no momento. Pelo menos enquanto não for produzida nenhuma vacina ou descoberto algum anti-viral eficaz contra o vírus. Com isso, a renda de todos os brasileiros será afetada

ETF's no Brasil: o seu guia definitivo

Este texto tem como objetivo auxiliar os novos CPF's da Bolsa de Valores. No final de 2018, éramos apenas 800 mil investidores (pouco, perto de uma população de 210 milhões de brasileiros). Em outubro de 2019, subimos para 1,5 milhão de investidores (o dobro, praticamente). Existem diversos fatores que levaram a esse aumento expressivo, dentre eles, podemos elencar: - Queda da taxa SELIC, atingindo fundo histórico de 4,5 % ao ano; - Aprovação da reforma da previdência e expectativas de mais reformas; - Expectativas também do fim da guerra comercial entre EUA e China; - Taxa de desemprego seguindo em queda. Dentro deste cenário, o investidor brasileiro precisou se mexer. Quem investia em 2015/2016 conseguia retornos expressivos sem correr muitos riscos, visto que a taxa SELIC estava em 14,25% ao ano. No cenário atual, os investimentos não estão mais tão simples assim. Quem busca uma rentabilidade um pouco mais elevada precisa correr mais riscos. É o prêmio risco