Pular para o conteúdo principal

Checando os números de novembro

Hoje estou com o domingo livre e resolvi fazer algo que gosto bastante: realizar contas e mexer com tabelas. Este texto é uma forma de incentivar os investidores que estão iniciando. Também considero uma forma de incentivar a mim mesmo, para continuar focado pelos anos vindouros. Comecei meus investimentos em renda variável em Junho/17 e foi um ano de bastante aprendizado. Finalizei o ano com a carteira totalmente vendida, estava com posições muito favoráveis, então preferi realizar o lucro. No início do ano, mudamos de residência, então, o dinheiro foi muito bem utilizado.

Vamos ver o gráfico de renda passiva de 2018 então:

Certo, de vermelho estão os rendimentos do imóvel físico que possuo. E de azul, rendimentos recebidos (em sua maioria) de Fundos Imobiliários. Em janeiro, fiz uma pequena carteira de fundos de recebíveis, da qual não me arrependo, vendi as posições com lucro e ainda tive essa rendinha no mês. Existe um hiato de 4 meses sem investimentos, justamente a época em que mudamos. 

Vou até criar um novo parágrafo sobre este assunto: casa própria. Percebam que tivemos que ficar um tempinho sem conseguir guardar dinheiro. As reformas, os móveis e o ITBI/cartório quebram realmente qualquer um.  E o pior, o imóvel ainda nem está da forma como queremos. Aos poucos, estamos destinando uma parte do salário para continuar as pequenas reformas.

Então, caso algum leitor esteja pensando em adquirir uma residência própria, fique muito atento a estes detalhes. 

Continuando, em maio conseguimos fechar o aluguel do apartamento antigo. No caso, assinamos o contrato com uma caução no valor de 2 aluguéis e o primeiro aluguel ficou para a imobiliária. Então, só viemos a receber dinheiro em Julho/18. 

Pensamento rápido a respeito de imóvel físico para o pequeno investidor: tenha, no máximo, UM e com um valor baixo (entre R$ 80k-110k). É mais fácil de alugar, IPTU costuma ser mais em conta e o condomínio também. E se precisar vender? É muito mais fácil vender um imóvel de R$ 100k, que um de R$ 300k.

Obviamente, existem exceções, porém o pequeno investidor dispõe de pouco capital. E imóvel físico é muito capital alocado em uma única forma de ativo.

Falando sobre os FIIs agora, em junho/18 recomecei a carteira de fundos. Em novembro, demos uma guinada buscando alcançar pelo menos R$ 800,00 de renda passiva. Estamos quase lá, tenho uma projeção para concluirmos este objetivo em janeiro/19.

Gosto de ter uma carteira bem diversificada, pago análises de casa independente, gosto muito de ler a respeito e obter o máximo de opinião a respeito do mercado. Este mês, a carteira entregou um yield de 0.70%. Justíssimo, no meu ponto de vista. 

Está carteira ainda irá se modificar neste mês, ainda possuo um dinheirinho para investir e existem os proventos a cair também. Como disse no parágrafo anterior, gosto de diversificar e sou adepto do mantra "SÓ A DIVERSIFICAÇÃO SALVA" rss. Então, para quem conhece o mercado de FIIs, tenho galpões, shoppings, papel, mono-ativo e até, desenvolvimento.

Estou concentrado em algumas posições, foram posições mais antigas. Com os aportes dos próximos meses, elas ficarão mais diluídas. 

Enfim, é isso. Falar sobre carteira é sempre um assunto interessante. Como os amigos estão posicionados? Mais em RF? Mais em RV? Se puder, comente.

Abraços!

Comentários

  1. Fala Frugal, bacana seu relato...
    Em relação a imóveis eu vejo que se for pra aluguel, é muito melhor comprar imóveis baratos para alugar visando o público de menor poder financeiro, pois dificilmente irá ficar vago.
    Um abraço meu camarada..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Joselito, tudo bem? Acho que já comentei no seu blog que acho sua estratégia bem interessante. Eu ficaria com o pé atrás por conta da região periférica em que vc adquire os imóveis. Mas é assim mesmo, temos que arriscar mais para termos maiores retornos. Um grande abraço!

      Excluir
  2. No meu ponto de vista, os fundos imobiliários estão meio caros no momento, por outro lado a renda fixa está uma lástima, as ações sofrendo forte volatilidade por esses dias.
    Resumindo, está feia a situação.
    Estou com um valor considerável parado em conta corrente, aguardando abrir alguma oportunidade, mas já está dando nos neevne o cenário atual.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A situação não está fácil, Gravata. Nesta carteira que postei, tem muitos fundos que não tenho mais como comprar pois ficaram caros. Aí tem que sair garimpando algo de qualidade com preço justo. Dá um pouquinho de trabalho mas compensa no final.

      Quando bate dúvida sobre o que fazer com o dinheiro, acabo botando na casa, reduzindo o prazo do financiamento.

      Abraços e até mais!

      Excluir
  3. Fala Frugal! Gostei do seu blog. Hoje foi minha primeira visita.
    Minha carteira hoje é 65% RF, 35% RV. Porém venho aumentando minha exposição à RV nos últimos meses. Pretendo fazer 50/50.
    Grande abraço e sucesso!
    www.acumuladorcompulsivo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Stark, seja bem-vindo e obrigado pela visita. Foque seus estudos em RV que vc poderá ficar até mais exposto e lucrar bem mais que a renda fixa. Um grande abraço!

      Excluir
  4. Boa evolução da renda passiva.

    Abraço e bons investimentos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

E o custo de vida no Brasil?

Sugiro que todos abram o Spotify e botem para tocar The Power of Love, porque é exatamente o que estou fazendo nesse momento.  E aproveitem e pesquisem Cobra Kai no You Tube que a série está muito boa!

Então colegas de finasfera, olhando o consumo deste mês, percebi como está caro viver no Brasil. A classe média cada vez mais pressionada por conta dos impostos, alguns com retorno zero. Escola pública, Sistema Único de Saúde e transporte público são apenas algumas categorias em que somos capazes de utilizar apenas em último caso. Abro um parênteses para transporte público pois depende da cidade em que cada um reside. Na minha cidade é horrível, não tem malha de metrô, dependemos única e exclusivamente de ônib

Plano B

Gosto de guiar minha vida por objetivos. Tipo como se fosse uma fase de Super Mario World. Vamos passando fase por fase, objetivo por objetivo, subindo um degrau após o outro.

O plano B, por motivos óbvios, não é tão bom quanto o plano A. Afinal de contas, se fosse bom, não seria B, seria A, concordam? Então a gente vai ajustando conforme a vida vai caminhando.
Costumo a dizer que para um plano dar certo, ele precisa ter falhas. São nas falhas e nos erros que aprendemos lições valiosas. Quando tudo vai muito certinho, não costumamos a olhar para trás procurando outra saída ou outro rumo.
Lembram da era nostálgica das lan houses? Eu era doido e fissurado por um jogo de estratégia chamado Warcraft 3. E a cada jogo finalizado, eu tinha o costume de olhar os replays para entender aonde estavam meus erros ou acertos. Claro que eu observava com mais atenção os jogos em que perdia. Os jogos em que eu vencia não me ensinavam muito.
É igual na vida.
Planejei focar por cinco anos na dívida imo…