Pular para o conteúdo principal

Buscando mais qualidade de vida

Trabalhar na área de saúde é massante. Na realidade, lidar com saúde pública no Brasil é bem complicado. É nadar contra a correnteza praticamente todos os dias. Basta verificar os tele-jornais, diariamente tem alguma merda acontecendo. Tem aqueles dias em que faltam insumos, em outros dias nos deparamos com a falta de estrutura digna para desempenhar nossas atividades e tem aqueles dias em que o que falta mesmo é noção e um pouco de vergonha na cara dos funcionários públicos.

Porém, vamos deixar para esculhambar o SUS em outra ocasião. Bora falar um pouquinho sobre qualidade de vida? 

Não sou nenhum novato na minha área. Já são quase 13 anos de formação acadêmica. E desses longos anos, pelo menos, 7 anos de plantões noturnos. São 7 anos de noites de sono perdidas e de jornada dupla de trabalho... E como não tenho mais meus 23 anos, estou começando a sentir no meu corpo o peso disso tudo.

Já é comum sentir um pouco de enxaqueca no dia seguinte aos plantões. Afinal de contas, no dia seguinte ainda tenho uma jornada de 6 horas para levar pela frente. Já ando carregando analgésicos comigo, exatamente para os dias em que a dor bate um pouco mais forte. Vejo colegas com seus 50-60 anos fazendo plantões noturnos até hoje e me pergunto que merda de vida é essa que eles levam. É uma merda mesmo amigos, hospital não é fácil, independente de qual setor você esteja trabalhando, é sempre estressante.

Estou com menos de 40 e já ando no limite. Tudo que eu não quero é esse tipo de vida para mim. E eu me conheço, não vou conseguir ficar quieto enquanto não mudar essa situação a qual estou passando. Como não posso me dar ao luxo de largar algum emprego nesse momento, comecei a pensar nas alternativas que teria ao meu redor.

Lembrei, então, que uma colega de trabalho é coordenadora em outra unidade. Relatei à ela a minha insatisfação atual, queria mais proximidade dos dois empregos (sim, um hospital fica no sul e outro, no norte), queria sair dos plantões noturnos, enfim, gostaria de ter minhas noites de sono de volta.

Ela me deu um pouco de esperança. Disse que iria conversar com o superior e entraria em contato comigo se desse certo. Nossa, e se desse certo? Estaria trabalhando manhã e tarde, distância de 15 minutos andando de um vínculo para o outro e teria minhas noites de volta.

Pela proximidade, poderia até vender meu carro. Ele perderia totalmente o sentido, E porra, como quero me livrar desse automóvel. Esse mês que passou foi o seguro. Daqui a pouco será a revisão. Início do ano, será pneu. Caramba, alguém fecha essa torneira aberta de dinheiro...

Enfim, não custa sonhar, espero muito que dê certo!

Um grande abraço e até mais!


Comentários

  1. É frugal, essas pessoas que citou terem 60 anos e estarem direto em horários exorbitantes, duas explicações, uma que seria por estarem endividados, logo procuram o máximo de tempo em plantões pra refletir em maior remuneração, outra seria problemas em casa com a família, que faz muitos preferirem estar no trabalho (acredito, conheço muitos assim no serviço policial).

    Por isso a importância de você guarda pelo menos 10% do que ganha e gastar apenas em coisas que necessite a fim de não se tornar escravo do trabalho, e escolher bem a parceira que irá conviver ou amigo que não te tragam trabalho e chateações.

    Abraço do Norte e Boa Sorte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lobo Branco, infelizmente, dinheiro não aceita desaforo e utilizar ele da forma errada durante toda uma vida, resulta exatamente nisso.

      Percebi também que as pessoas da minha geração estão mais focadas em qualidade de vida do que em viver afogado na lama das dívidas.

      Os filhos costumam a vir mais tarde, após a aquisição da casa própria e de conquistas pessoais e profissionais. Não o oposto, como eu vi na geração dos meus pais.

      Sucesso, até mais!

      Excluir
    2. "Dinheiro não aceita desaforo": que frase profunda & bela! Se o pessoal de 60 anos tivesse absorvido seu significado ainda na juventude, não estaria abrindo mão do sono à noite nessa idade.

      Excluir
  2. Fala, AF. Torço para que dê certo e consiga o emprego no local mais propenso.

    Eu também não quero chegar à velhice e ser obrigado a trabalhar como um escravo, por isso aporto todo mês em busca da tranquilidade financeira.

    Carro é um devorador de orçamento, mas eu não consigo ficar sem, gosto pra caramba de dar uns rolê e pegar estrada...

    Abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  3. Olá IC, tudo bom? Sobre a mudança do local, não tenho muitas esperanças. A colega não está se esforçando para que isso aconteça. E como não costumo a puxar o saco de ninguém, vai ficar assim mesmo.

    Sobre o carro, tenho boas novas, irei atualizar a situação em breve.

    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Blog entrando em stand-by

Cada vez tenho mais certeza que meu mundo não é aqui na blogosfera de finanças. Viver a pandemia e perceber que a maioria dos blogueiros estão mais preocupados com dinheiro do que com a saúde, me levou à esta conclusão. Ainda penso em continuar minha postagens, talvez com um nicho que eu me identifique mais. E quem sabe consiga rentabilizar um pouco. Tenho algumas ideias, vamos ver se dará certo, falar menos de coisas pessoais e lidar com algo mais profissional. Sobre saúde, muitos parentes doentes e, infelizmente, dois óbitos dentro da família. Eu e minha esposa também adoecemos. Porém, o pior já passou. Muito difícil não se contaminar quando vivemos dentro do ambiente hospitalar. Estou com sinais de stress, percebi nos últimos dias, uns espasmos nas pálpebras. Situação bem ruim, que eu espero melhorar com o passar dos dias  Ando procurando paz e tranquilidade, devo colocar meu primeiro imóvel para venda dentro dos próximos dias. Cansado de lidar com inquilinos proble

Do céu ao inferno, o mês de março/2020

Março teria tudo para ser um mês extraordinário. Planejamos uma viagem de férias para 4 pessoas para Europa, nos preparamos para tudo, passagens, hotéis, seguros, aluguel de carro, roupas de frio, bagagens maiores. Tudo, absolutamente tudo, estava pago e só precisaríamos nos preocupar em embarcar no avião. Diante de tanto êxtase, estava cego, achando que esse novo coronavírus não era tão perigoso como a mídia relatava. Esse êxtase durou até 4 dias antes da viagem, quando tudo começou a ser fechado por lá. Museus, pontos turísticos e hotéis. Lembro bem dessa manhã. Acordei cedo como de costume, mesmo de férias. Peguei o celular e acessei o site de notícias de uma das regiões para onde viajaríamos. Juro que bateu uma depressão foda nessa hora. Todo o planejamento tinha ido por água abaixo. E, logo eu, que me gabava de sempre planejar minhas viagens com antecedência, viajando mais tranquilo, sem me preocupar com dívidas. Percebi então que por mais organizado que eu fosse.

COVID-19 e o que penso a respeito

Colegas, estamos diante de dias tenebrosos. Não estou me referindo à bolsa de valores. A B3 é só a cereja do bolo do estrago que iremos vivenciar nos próximos meses.  Queria muito ser otimista nesta hora mas é um exercício muito difícil. Se vivêssemos num país organizado e com pessoas educadas, talvez meu sentimento fosse outro. Porém, vivemos no Brasil, um país recheado de favelas em que os cidadãos não possuem nem acesso ao mínimo de saneamento básico. Vamos tentar imaginar o seguinte cenário para os próximos dias: - A crise sanitária irá se intensificar. Já são quase 300 mortos e este número irá aumentar. Aumentar muito. Os testes não estão sendo realizados da forma correta, certamente temos mais mortos e mais casos do que o Ministério informa. - O isolamento social é a melhor forma de prevenção no momento. Pelo menos enquanto não for produzida nenhuma vacina ou descoberto algum anti-viral eficaz contra o vírus. Com isso, a renda de todos os brasileiros será afetada