Pular para o conteúdo principal
Ainda não pensei em um título para este post. E talvez até deixe-o sem título, se não surgir nenhuma ideia interessante até o final desta escrita. Então, vamos falar do imóvel anterior, que está agora para alugar?

A localização do apartamento não é das piores, fica próximo à avenida, perto de tudo que se possa imaginar. Tipo, coisa de 10 minutos de distância de carro do shopping. E no caminho, farmácia, supermercado e até faculdade próximas. Agora, sua distância do centro da cidade é razoável, uns 30 minutos por baixo. 

Sobre o tamanho dele, é bem pequeno, somente 44 metros quadrados. Na realidade, para quem vive sozinho, é suficiente. Mas, se colocar umas 2 pessoas a mais na conta, aí não fecha não.

Por conta disso fui obrigado a fazer uma manobra para pegar um aluguel mais decente, deixei o apartamento semi mobiliado. A cozinha, por exemplo, está toda lá. Eu não tinha como aproveitar os armários e eles estão como novos (a maravilha de planejar os móveis). E quando falo em cozinha, digo tudo mesmo, geladeira, fogão, e até o botijão de gás ficou por lá.

Além da cozinha, o banheiro ficou todo bonitinho, com box e pia projetada. Deixei  também as persianas, o sofá e a mesa de jantar.  E por fim, dei uma mão de tinta para tirar as marcas de quadros e dos móveis que foram retirados durante a mudança. 

Sobre o valor da locação, pensei inicialmente em R$ 850,00. Fiz um sondagem pela região e a média estava entre R$ 650,00 e R$ 1000,00. O valor mais barato referente ao imóvel sem nada. E o mais caro, mobiliado com tudo, até ar-condicionado. 

Porém os tempos não estão fáceis. E dei preferência a reduzir o valor do aluguel, em prol de deixar o apartamento logo habitado e rendendo dinheiro. Reduzi para R$ 750,00 e em um mês estava alugado com contrato já assinado. 

Acho que se eu ficasse martelando em R$ 850, demoraria muito mais tempo para encontrar um inquilino. E quanto mais tempo passasse, mais meses eu pagaria de condomínio, sem utilizar o apartamento. Ah, e temos um agravante, ainda estou arcando com as parcelas do apartamento. Então, eu queria que ele ficasse logo habitado para que a parcela e o condomínio fossem pagos do próprio aluguel. 

Sobre o financiamento, falta muito pouco para quitar (coisa de R$ 12 mil). Já fiz um planejamento e pretendo quitá-lo daqui a 4 meses. Será menos uma conta no orçamento e mais dinheiro que irá sobrar todo mês. 

Sobre o inquilino, tem um perfil bom. Não possui nome sujo no SPC/SERASA, foi remanejado para trabalho na minha cidade e estava atrás de outro imóvel para residir. 

O imóvel do qual saiu tinha problemas de infiltração e o proprietário se recusou a corrigir. Essa é a parte chata de viver de aluguel.  Mas isso é assunto para outro texto. 

Falando em valores, acho que devo pegar em torno de 0.50% a 0.55% líquido ao mês do valor de venda do apartamento. Que para mim, está de bom tamanho. 

Bem, por hoje é só. Abraço pra todo mundo, até mais! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ETF's no Brasil: o seu guia definitivo

Este texto tem como objetivo auxiliar os novos CPF's da Bolsa de Valores. No final de 2018, éramos apenas 800 mil investidores (pouco, perto de uma população de 210 milhões de brasileiros). Em outubro de 2019, subimos para 1,5 milhão de investidores (o dobro, praticamente). Existem diversos fatores que levaram a esse aumento expressivo, dentre eles, podemos elencar: - Queda da taxa SELIC, atingindo fundo histórico de 4,5 % ao ano; - Aprovação da reforma da previdência e expectativas de mais reformas; - Expectativas também do fim da guerra comercial entre EUA e China; - Taxa de desemprego seguindo em queda. Dentro deste cenário, o investidor brasileiro precisou se mexer. Quem investia em 2015/2016 conseguia retornos expressivos sem correr muitos riscos, visto que a taxa SELIC estava em 14,25% ao ano. No cenário atual, os investimentos não estão mais tão simples assim. Quem busca uma rentabilidade um pouco mais elevada precisa correr mais riscos. É o prêmio risco

Blog entrando em stand-by

Cada vez tenho mais certeza que meu mundo não é aqui na blogosfera de finanças. Viver a pandemia e perceber que a maioria dos blogueiros estão mais preocupados com dinheiro do que com a saúde, me levou à esta conclusão. Ainda penso em continuar minha postagens, talvez com um nicho que eu me identifique mais. E quem sabe consiga rentabilizar um pouco. Tenho algumas ideias, vamos ver se dará certo, falar menos de coisas pessoais e lidar com algo mais profissional. Sobre saúde, muitos parentes doentes e, infelizmente, dois óbitos dentro da família. Eu e minha esposa também adoecemos. Porém, o pior já passou. Muito difícil não se contaminar quando vivemos dentro do ambiente hospitalar. Estou com sinais de stress, percebi nos últimos dias, uns espasmos nas pálpebras. Situação bem ruim, que eu espero melhorar com o passar dos dias  Ando procurando paz e tranquilidade, devo colocar meu primeiro imóvel para venda dentro dos próximos dias. Cansado de lidar com inquilinos proble

COVID-19 e o que penso a respeito

Colegas, estamos diante de dias tenebrosos. Não estou me referindo à bolsa de valores. A B3 é só a cereja do bolo do estrago que iremos vivenciar nos próximos meses.  Queria muito ser otimista nesta hora mas é um exercício muito difícil. Se vivêssemos num país organizado e com pessoas educadas, talvez meu sentimento fosse outro. Porém, vivemos no Brasil, um país recheado de favelas em que os cidadãos não possuem nem acesso ao mínimo de saneamento básico. Vamos tentar imaginar o seguinte cenário para os próximos dias: - A crise sanitária irá se intensificar. Já são quase 300 mortos e este número irá aumentar. Aumentar muito. Os testes não estão sendo realizados da forma correta, certamente temos mais mortos e mais casos do que o Ministério informa. - O isolamento social é a melhor forma de prevenção no momento. Pelo menos enquanto não for produzida nenhuma vacina ou descoberto algum anti-viral eficaz contra o vírus. Com isso, a renda de todos os brasileiros será afetada