Pular para o conteúdo principal

Carteira Setembro/2017

Conforme prometido, eis minha humilde carteira de ativos. Eu possuía mais posição em renda fixa porém quase zerei pelos seguintes motivos:


a) Desejo ter ativos que proporcionem renda passiva. Seja por rendimentos através de Fundos de investimentos imobiliários, seja por dividendos de ações;

b) Possuo apenas uma pequena reserva na poupança. Minha esposa também possui saldo em Tesouro Selic e poupança. Considero estas aplicações nossa reserva de emergência.


c) Sinto-me confortável com a posição que ocupo na renda variável. Mas sinto que deveria me expor menos. O mercado altista acabando pregando peças na minha cabeça e me leva a pensar que sempre será esta maravilha. Topos sendo quebrados diariamente, bull market a todo vapor, carteira valorizando como nunca...

Ledo engano, eu sei.

Enfim, de tanto a mídia martelar que reserva de emergência deve cobrir de 6 a 12 meses de gastos, às vezes me pego pensando se deveria aumentar minha posição em liquidez diária. A verdade é que, em decorrência de uma certa "estabilidade" dos meus empregos, posso pensar em diminuir meu colchão de segurança.

Usei o termo estabilidade entre aspas pois nada é garantido nesta vida. Além de que, nenhum governo me inspira confiança. Olhem a situação delicada em que se encontra o Rio de Janeiro. Triste e lamentável.

No próximo post, complemento com os ativos da carteira e suas devidas porcentagens.

Abraços e força na caminhada, soldados!

Obs: apaguei os valores absolutos do post. Irei postar somente valores relativos (percentuais) a partir de agora. Acho que o patrimônio é algo muito pessoal e mesmo num blog anônimo (rss) não me senti à vontade. Cabeça de doido, eu sei ahha.

F.A.

Comentários

  1. Olá FA,

    Essa carteira está legal. Minha carteira é quase tudo RV.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá cowboy, grato pela visita, sucesso pra gente então :)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Blog entrando em stand-by

Cada vez tenho mais certeza que meu mundo não é aqui na blogosfera de finanças. Viver a pandemia e perceber que a maioria dos blogueiros estão mais preocupados com dinheiro do que com a saúde, me levou à esta conclusão. Ainda penso em continuar minha postagens, talvez com um nicho que eu me identifique mais. E quem sabe consiga rentabilizar um pouco. Tenho algumas ideias, vamos ver se dará certo, falar menos de coisas pessoais e lidar com algo mais profissional. Sobre saúde, muitos parentes doentes e, infelizmente, dois óbitos dentro da família. Eu e minha esposa também adoecemos. Porém, o pior já passou. Muito difícil não se contaminar quando vivemos dentro do ambiente hospitalar. Estou com sinais de stress, percebi nos últimos dias, uns espasmos nas pálpebras. Situação bem ruim, que eu espero melhorar com o passar dos dias  Ando procurando paz e tranquilidade, devo colocar meu primeiro imóvel para venda dentro dos próximos dias. Cansado de lidar com inquilinos proble

ETF's no Brasil: o seu guia definitivo

Este texto tem como objetivo auxiliar os novos CPF's da Bolsa de Valores. No final de 2018, éramos apenas 800 mil investidores (pouco, perto de uma população de 210 milhões de brasileiros). Em outubro de 2019, subimos para 1,5 milhão de investidores (o dobro, praticamente). Existem diversos fatores que levaram a esse aumento expressivo, dentre eles, podemos elencar: - Queda da taxa SELIC, atingindo fundo histórico de 4,5 % ao ano; - Aprovação da reforma da previdência e expectativas de mais reformas; - Expectativas também do fim da guerra comercial entre EUA e China; - Taxa de desemprego seguindo em queda. Dentro deste cenário, o investidor brasileiro precisou se mexer. Quem investia em 2015/2016 conseguia retornos expressivos sem correr muitos riscos, visto que a taxa SELIC estava em 14,25% ao ano. No cenário atual, os investimentos não estão mais tão simples assim. Quem busca uma rentabilidade um pouco mais elevada precisa correr mais riscos. É o prêmio risco

COVID-19 e o que penso a respeito

Colegas, estamos diante de dias tenebrosos. Não estou me referindo à bolsa de valores. A B3 é só a cereja do bolo do estrago que iremos vivenciar nos próximos meses.  Queria muito ser otimista nesta hora mas é um exercício muito difícil. Se vivêssemos num país organizado e com pessoas educadas, talvez meu sentimento fosse outro. Porém, vivemos no Brasil, um país recheado de favelas em que os cidadãos não possuem nem acesso ao mínimo de saneamento básico. Vamos tentar imaginar o seguinte cenário para os próximos dias: - A crise sanitária irá se intensificar. Já são quase 300 mortos e este número irá aumentar. Aumentar muito. Os testes não estão sendo realizados da forma correta, certamente temos mais mortos e mais casos do que o Ministério informa. - O isolamento social é a melhor forma de prevenção no momento. Pelo menos enquanto não for produzida nenhuma vacina ou descoberto algum anti-viral eficaz contra o vírus. Com isso, a renda de todos os brasileiros será afetada