Pular para o conteúdo principal

Voltando aos aportes



Resultado de imagem para dinheiro

Seis longos meses pagando imposto de renda. Uma dor eterna que parece não ter fim. Mas acabou, DARFs foram pagos, agora é respirar tranquilo pelos próximos seis meses e focar no que importa. Pro próximo ano, irei parcelar em no máximo 3 vezes, mesmo que eu me lasque todinho para pagar. É aquele tipo de obrigação que quanto mais rápido acabar, melhor.

Então, hora de rever objetivos. Com a venda do automóvel, batemos a meta de reduzir o financiamento para menos de 300 meses até o final do ano. Atualmente, a dívida imobiliária não está me incomodando muito. Uma dívida que custa 0,88% ao mês de juros, não é algo de outro mundo. Sim, existe o fator psicológico, muitos anos de compromisso, porém, por incrível que pareça, estou tranquilo a respeito.

Um dos motivos é que, nossa renda passiva já bate quase metade dos juros mensais que pagamos. No caso, a renda que possuímos é de um imóvel alugado e de uma recém-criada carteira de FIIs. O yield mensal da carteira está em torno de 0,66% ao mês. Estou fazendo pequenos ajustes nela, quem sabe chegaremos em breve a 0,70% sem assumir tantos riscos.

Na vida pessoal, estou cada vez mais orgulhoso da minha esposa. O orçamento dela ficou bem folgado, agora que ela não possui mais o carro. Como uma forma de incentivá-la a guardar dinheiro, assumi as prestações do financiamento estudantil dela. Sendo assim, ela possui o salário 100% líquido.

Ela é extremamente frugal, bem mais do que eu. Neste mês ela conseguiu uma faixa de aporte de quase 40% do salário. É algo respeitável, nessas horas bate um orgulho foda ahah. Com o dinheiro sobrando na conta dela, ela resolveu perguntar como funcionava a carteira que eu estava montando.

Abri minhas planilhas, mostrei os proventos que temos recebido e nossa projeção se fizéssemos aportes visando o mesmo objetivo. Foi então que o céu se abriu! Ela ficou maravilhada com o universo da renda passiva e dos juros compostos. Universo esse que ela já conhecia um pouco porém como seu salário era consumido com carro e crédito estudantil, ela acabava ignorando e deixando de lado.

Estamos aos poucos traçando objetivos novos, a ideia é ir subindo uma escadinha. Incrementando de pouquinho em pouquinho. Pelas contas de padaria que fizemos, a cada 3 meses daria para aumentar em R$ 100,00 a renda passiva. Quem sabe um dia chegar num ponto em que os juros do financiamento seriam pagos pelos juros dos investimentos... Não custa nada sonhar, até porque, não está tão distante assim. 

Essa semana foi realmente bem atípica, fui invadido por um sentimento de felicidade e satisfação. Antes eu tinha receio sobre a venda do carro. Diversos medos me sondavam, medo de ser enrolado na negociação, medo de não conseguirmos se virar sem a condução, enfim, pode parecer meio bobo, mas eu seria o responsável, de certo modo, caso alguma coisa ruim acontecesse. 

Hoje, estou mais certo do que nunca de que essa foi a decisão mais sensata que poderíamos ter tomado. Agora é hora de colher os frutos por termos escolhido este caminho. 

O caminho da tranquilidade financeira.

Grande abraço a todos, até mais!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Buscando mais qualidade de vida

Trabalhar na área de saúde é massante. Na realidade, lidar com saúde pública no Brasil é bem complicado. É nadar contra a correnteza praticamente todos os dias. Basta verificar os tele-jornais, diariamente tem alguma merda acontecendo. Tem aqueles dias em que faltam insumos, em outros dias nos deparamos com a falta de estrutura digna para desempenhar nossas atividades e tem aqueles dias em que o que falta mesmo é noção e um pouco de vergonha na cara dos funcionários públicos.
Porém, vamos deixar para esculhambar o SUS em outra ocasião. Bora falar um pouquinho sobre qualidade de vida? 
Não sou nenhum novato na minha área. Já são quase 13 anos de formação acadêmica. E desses longos anos, pelo menos, 7 anos de plantões noturnos. São 7 anos de noites de sono perdidas e de jornada dupla de trabalho... E como não tenho mais meus 23 anos, estou começando a sentir no meu corpo o peso disso tudo.
Já é comum sentir um pouco de enxaqueca no dia seguinte aos plantões. Afinal de contas, no dia se…

A semi-independência financeira

Gostei muito de criar este blog. Sinto que quando escrevo, fico mais comprometido com meus objetivos. Ler e reler os posts dá um certo gás. 
Percebo também que não estou sozinho. Somos diversos buscando a mesma conquista. O mais interessante disso tudo será ler esses textos daqui a 2-3 anos. E notar a evolução. Certamente ela acontecerá.
Partindo agora para o assunto principal do post, está na hora de ser honesto comigo mesmo. Meu mindset mudou com mais de 30 anos. Cheguei nos 30 num piscar de olhos, imagine então quão próximo estou para ser quarentão.
O que significa isso? Menos tempo terei para alcançar o que almejo. Como resolver isso? Aportando mais. O problema é que não moro mais com meus pais, já sou casado e tenho compromissos financeiros que não existiriam se ainda morasse com eles.
E pensar que eu passei quase 10 anos fazendo cagadas financeiras... Não dá para consertar 10 anos em 10 dias. Porém, podemos tentar usar uma super-cola e ver no que vai dar.
E aqui chegamos num po…

Estudando os colegas de trabalho

Como comentei no meu primeiro post, minha fonte de renda provém de dois vínculos. Cada vínculo possui uma certa particularidade, tanto em relação ao trabalho em si, quanto em relação às pessoas.
Não irei focar no trabalho, hoje irei falar sobre as pessoas. Notei algo bem interessante e que vale a pena compartilhar com vocês.
No vínculo 1, possuo colegas de trabalho na faixa de 35-45 anos. Casados e com filhos em sua grande maioria. Possuímos alguns PCs para ajudar a desempenhar nossas atividades profissionais. E não raro, utilizamos para lazer no tempinho vago.
É comum ter sites como submarino, mercado livre e diversos outros sites de compras salvos na barra do navegador. Dificilmente converso sobre investimentos com os colegas do vínculo 1. 
Muitos deles reclamam do governo, da inviabilidade da reforma da previdência, acham que a aposentadoria deve ser responsabilidade do Estado. E é comum efetuarem o pagamento de imposto de renda de forma parcelada (pagando juros).
Agora, vamos fal…